Arquivo da categoria: Conteúdo

Microagulhamento: Cuidados pré e pós

Cuidados antes do microagulhamento e após a sessão são importante para obter os resultados positivos da técnica!

Porém, são necessários alguns cuidados essenciais de preparação da pele, de pós procedimento e principalmente no cuidado na aplicação da técnica, que deve ser realizada por um profissional capacitado.

A técnica consiste na punturação da pele, na qual é usado um equipamento com microagulhas de aço cirúrgico, que deve ter registro na ANVISA e ser descartado após cada aplicação.

As micropunturações estimulam a vasodilatação, aumentam a permeação de ativos e estimulam a síntese do colágeno, auxiliando em vários tratamentos. 

O tratamento certamente pode ser associado a outros recursos nos intervalos das sessões de microagulhamento, sendo essencial tratamentos de revitalização e hidratação neste período.

O cuidado vai desde a hora da decisão por microagulhar até a escolha de um programa de tratamento específico para cada cliente, além dos cuidados com a biossegurança.

É importante lembrar que equipamento ilegal ou mal utilizado compromete sua credibilidade profissional e, muito mais grave que isso, pode comprometer a saúde de seu cliente bem como o resultado esperado.

Cuidados antes do microagulhamento

Primeiramente, os cuidados necessários para microagulhar que devem iniciar 30 dias antes da aplicação:

  • Primeira sessão aplicação de protocolo de limpeza de pele profunda
  • Segunda sessão aplicação de hidratação profunda
  • Terceira sessão revitalização da pele com associação de ativos fundamentais como Vit. C, ácidos de baixa concentração, ativos normalizadores da pigmentação, sempre respeitando a queixa da cliente e necessidade da pele
  • Quarta sessão microagulhamento com uso de fator de crescimento

Lembrando que o uso dos produtos home care são indispensáveis já que os resultados dependem da preparação da pele.

Nos cuidados antes de iniciar as sessões de microagulhamento é importante realizar limpeza, tonificação e proteção solar pois estes cuidados fazem parte do tratamento e devem ser usados diariamente pelo cliente, associando cosméticos hidratantes com fatores de crescimento, vitamina C, clareadores, produtos adequados ao biotipo e fototipo de pele e, claro, a finalização com fator de proteção solar.

Esses cuidados diários fazem com a pele esteja hidratada e nutrida melhorando assim a eficácia da técnica. E não esqueça é preciso interromper o uso de qualquer ácido na pele entre 72 e 48 horas antes de se submeter ao procedimento.

Sugestões de produtos para associar ao microagulhamento

Conheça nossas sugestões de produtos para uso em casa para associar ao seu tratamento:

Em adicional preparamos um vídeo do protocolo de aplicação do microagulhamento.

Cuidados após o microagulhamento

Após a realização da técnica, a pele pode apresentar  leve descamação, vermelhidão, ardor e um leve edema, além de sensibilidade ao frio, calor e principalmente ao sol. Indicamos água termal para atenuar os sintomas.

Não é recomendado o uso de nenhum FPS por até 12h após ter realizado o microagulhamento. Após esse período o fotoprotetor é obrigatório.

Evite exposição solar nos primeiros 30 á 45 dias e sempre usar filtro solar adequado a pele, se puder use com cor para potencializar a proteção, lembrando de reaplicar o fotoprotetor conforme a recomendação na embalagem do produto..

Entre todos esses cuidados, vale salientar que hidratação é a chave de tudo! Precisamos beber água, pois é essencial para mantermos a pele saudável e potencializar o resultado de qualquer tratamento estético.

Não esqueça também de que qualquer cliente deve se submeter a uma cuidadosa ficha de anamnese, onde essa determinará se é viável a aplicação da técnica ou não.

Lembrando sempre que na gestação não é indicado nenhum tipo de tratamento sem autorização prévia de seu médico.

Calvície feminina: causas e tratamento

A calvície feminina pode se transformar num problema de autoestima muito sério. Já que o cabelo é de fundamental importância para a imagem pessoal, principalmente quando se trata do sexo feminino.  Apesar ser pequena a porcentagem de mulheres que sofrem com a alopecia androgenética, o problema de fato ocorre e é influenciado por ação genética e hormonal, como nos homens.

Mas as mulheres ficam carecas?

Sim, a calvície feminina geralmente se inicia logo após a puberdade, quando os hormônios sexuais começam a ser produzidos. A evolução é lenta.

Primeiramente, ocorre uma rarefação difusa dos cabelos, que se tornam finos e têm o seu tamanho diminuído. Como resultado, ocorre a queda mais frequente, sem o crescimento de um novo fio.

Por outro lado, com a idade avançada, pode ocorrer, inclusive, de uma mulher ficar careca, porém não é algo muito comum.

Tudo pode se agravar se a mulher tiver alguma patologia ligada a fatores hormonais ou endócrinos. Principalmente, após a menopausa, quando  há uma alteração hormonal importante e falta de nutrientes e oligoelementos.

calvície e quada capilar

Por outro lado, não é só os fatores genéticos que podem causar a queda dos fios. Pois as mulheres acumulam funções no seu dia a dia, que as deixam no grupo de maior nível de estresse, que pode causar a queda dos cabelos.

Além disso, as mulheres fazem uso de cosméticos para os cabelos, muitas vezes não adequados, e ainda de muita química, que prejudica os fios, deixando-os mais fracos.

Um exemplo das alterações no fio por procedimentos estéticos é a temperatura alcançada pelas pranchas. Essa temperatura acaba formando bolhas ao longo do fio, proporcionando a quebra do cabelo e deixando-o frágil, enfim, um transtorno!

Falhas nas sobrancelhas

De forma similar ao que acontece com o cabelo, as sobrancelhas também possuem um papel fundamental na autoimagem da mulher.

Nem todas têm uma sobrancelha volumosa, capaz de seguir um design mais moderno. Algumas até já tiveram, mas, seguindo padrões dos anos 70, arrancaram tudo, já que a moda naquele momento era apenas ter uma fileira de pelos.

Mas como o crescimento das sobrancelhas difere do crescimento do cabelo, algumas mulheres não conseguem mais ter um volume desejado para um desenho adequado de suas sobrancelhas.

Tratamento da calvície feminina e falha das sobrancelhas

No tratamento para a calvície feminina, em muitos casos é preciso interferência médica e suplementações vitamínicas. Porém, o uso de shampoo e outros produtos para o cuidado do couro cabeludo com ingredientes voltados ao tratamento da queda é fundamental.

A linha Terapia Capilar da Extratos da Terra é uma excelente opção para o complemento dos tratamentos capilares.

Além de nutrientes importantes para o fortalecimento dos fios já existentes e crescimento de novos, os produtos controlam a oleosidade e protegem os cabelos da ação do tempo.

Os produtos inclusive fortalece os fios danificados por químicas e fragilizados devido a ações externas e até por conta do próprio envelhecimento.

Mas é importante frisar que o tratamento deve ser iniciado assim que se perceber o afinamento dos fios ou queda abundante. De modo que o problema não se agrave.

Enfim, o legal é saber que a Linha Terapia Capilar pode ser usada no couro cabeludo, reforçando a saúde dos fios e controlando problemas como oleosidade e queda.

Ela pode ser usada também em toda a extensão dos fios, devolvendo-lhes elasticidade e prevenindo a quebra. Além de proporcionar excelente hidratação.

Ah, e a linha conta com um tônico específico para ser usada nas sobrancelhas. Ele promove o aumento da espessura e crescimento de novos fios, preenchendo as falhas.

Não é maravilhoso?

Conheça e teste os benefícios dos produtos desenvolvido pela Extratos da Terra, você encontra os produtos de tratamento capilar em nosso site extratosdaterra.com.br ou em um de nossos distribuidores.

Experimente!

Elizete Garcia
Coordenadora técnica Extratos da Terra

Queda de cabelo pós-covid: mito ou verdade?

A queda de cabelo pós-covid é um relato cada vez mais comum em pessoas que apresentaram sintomas provocados pelo coronavírus. Vários estudos estão mostrando que esse sintoma é verdadeiro, mas o real mecanismo que leva à queda do cabelo ainda não está completamente desvendado.

Por exemplo, o estudos de Lopez-Leon e colaboradores, publicado em janeiro de 2021, apontam que 25% das pessoas que apresentaram sintomas da covid-19 têm problemas de queda após a doença.

queda de cabelo

Segundo os pesquisadores, a queda de cabelo é um dos 5 sintomas de longo prazo mais comuns por conta da doença (sintomas que aparecem ou persistem após a recuperação).

 Neste blog, vamos abordar algumas dúvidas em relação a esse assunto.

Por que os cabelos caem após a doença?

Primeiramente, a causa da queda do cabelo pós-covid ainda não está 100% definida. Mas se acredita que decorre do que os médicos chamam de eflúvio telógeno. 

O eflúvio telógeno é quando o cabelo que está em fase de repouso tem esse ciclo acelerado (quando o fio para de crescer e se prepara para cair, sendo trocado por um novo fio). Em outras palavras, é como se o tempo de vida do fio durasse menos do que o normal e, com essa fase acelerada, mais cabelos caem. 

Os especialistas revelam que essa queda acentuada é causada pela inflamação nos folículos pilosos. Assim como ocorre em outras doenças como dengue, chikungunya e zika, além de episódios de estresse, perda de peso, deficiência nutricional e pós-parto.

No caso da covid-19, a Sociedade Brasileira de Dermatologia do Rio de Janeiro (SBDRJ) declara que essa queda pode estar relacionada:

  • Á própria infecção
  • Ás medicações utilizadas no combate à doença
  • Ao estresse emocional nessa fase de isolamento social

Além disso, outros estudos mostram que, em resposta à infecção por covid-19, o corpo diminui a concentração de proteínas anticoagulantes, podendo levar à formação de microtrombos. Em consequência disso, reduz o acesso de sangue ao folículo piloso (onde o fio de cabelo é produzido), deixando os fios mais fracos e provocando sua queda antecipada.

Estudos ainda apontam a alopecia como um sintoma pós-covid, mas nesse caso a covid parece ser um gatilho para o aparecimento do quadro, já que a alopecia está mais ligada à predisposição genética. 

Quanto tempo após a recuperação da covid-19 os cabelos começam a cair?

Em primeiro lugar é importante saber que esse tempo de surgimento do sintoma varia muito de um caso para outro. Mas os relatos apontam de 3 semanas a 3 meses após o diagnóstico da doença. 

Quanto tempo dura a queda de cabelo pós-covid?

A princípio, em média de 3 a 6 meses após o diagnóstico da doença. Após esse período os cabelos tendem a voltar ao normal, desde que não exista uma tendência genética para alopecia ou outro fator envolvido na queda.

Por outro lado, no caso de existir uma tendência genética para a alopecia e o covid ser um gatilho inicial para desenvolver esse quadro, os fios vão ficando cada vez mais finos. 

É importante também lembrar que a deficiência de ferro e de vitaminas pode prolongar essa fase de recuperação, e por isso é importante consultar um especialista para um diagnóstico mais preciso e também para investigar se outros fatores não estão envolvidos na queda dos fios. 

Tratamento tópico para queda de cabelo

O tratamento para queda de cabelo devido ao covid é o mesmo que os já usados normalmente. Ainda não se sabe se existe algum mecanismo específico do vírus que induz o aumento da queda, por isso o tratamento segue a indicação usual e já conhecida.

Por exemplo, um tratamento tópico para queda que faz a reposição de vitaminas no folículo é o Tônico Nano Hair. Esse tônico segura o fio por mais tempo no couro cabeludo, diminuindo a queda e também fortalecendo o fio, deixando-o mais espesso.

O Tônico Nano Hair possui um blend de vitaminas de que o cabelo necessita para crescer saudável e normalizar o ciclo de vida capilar. Entre os componentes, estão aminoácidos, vitaminas do complexo B e proteínas como:

Nano Hair para queda de cabelos
  • Extrato de ginseng
  • Arginine
  • Sais de zinco
  • Niacinamida
  • Biotina
  • Glucosaminas

Dessa forma, para saber mais sobre o Nano Hair e como ele funciona, confira o blog – Nano Hair: vitaminas para queda dos cabelos. 

Então, se você gostou do conteúdo ou tem alguma dúvida? Deixe o seu comentário aqui que nós respondemos para você 😉

Flacidez de pele: o que causa e como se livrar?

A flacidez de pele é um dos sinais visíveis do envelhecimento. Ela pode aparecer  tanto no rosto quanto no corpo.

Mas você sabe como a flacidez ocorre

Leia até o final para entender por que a flacidez aparece na pele, os fatores envolvidos e como prevenir ou tratar.

O que é a flacidez de pele?

A flacidez é a perda de elasticidade e sustentação da pele. Ela é percebida visualmente pelo aspecto mais frouxo da pele. Isso ocorre, primeiramente, pela desorganização ou pelo desgaste das fibras de colágeno e elastina.

Outro fator que leva à flacidez é o enfraquecimento muscular por causa da falta de estímulos ou de exercícios físicos. 

Vamos visualizar como essas mudanças ocorrem dentro da pele?

flacidez de pele: mudanças que ocorrem
Mudanças na estrutura da pele com o envelhecimento

A imagem mostra de forma ilustrativa as mudanças que ocorrem no interior da pele e que causam a flacidez. Você pode perceber que na pele jovem as fibras de colágeno e elastina estão fortes e bem organizadas.

À medida que envelhecemos, essas fibras ficam enfraquecidas, e muitas vezes as novas fibras de colágeno que “nascem” não são de qualidade ou não estão organizadas da mesma forma que antes. Isso leva ao surgimento das rugas e ao afrouxamento da pele

Quer dizer que posso produzir colágeno que não melhora a flacidez?

Exatamente! As células, quando envelhecidas, não desempenham as funções da mesma forma que quando eram jovens. Isso também acontece com as células que produzem o colágeno e a elastina. Elas produzem as fibras, porém de forma desorganizada, não mantendo a estrutura de sustentação da pele. 

Essa falta de elasticidade acontece tanto no rosto quanto no corpo quando envelhecemos. Por outro lado, outros fatores podem desencadear a flacidez ainda na juventude. 

Mas o que causa a flacidez?

Além da idade e do envelhecimento das células, quando tudo no nosso corpo desacelera e cansa, inclusive a renovação das fibras elásticas, outros fatores podem levar à flacidez ainda na juventude. Alguns desses fatores são a influência hormonal, a obesidade e a gravidez. 

Na gravidez, por exemplo, a barriga aumenta rapidamente e, após o nascimento do bebê, a pele torna-se flácida. A volta ao corpo que se tinha antes é um processo natural, mas, no entanto, nem sempre isso acontece conforme o desejado. Por isso, é muito importante que nas regiões mais afetadas pela gestação – abdômen, pernas, glúteos e mamas – a pele esteja sempre muito bem hidratada e de preferência com Cremes Firmantes. 

O sedentarismo ou a dificuldade em criar uma rotina de exercícios físicos também podem levar à flacidez. Isso porque os músculos que ficam abaixo da pele ficam flácidos pela falta de estímulo, prejudicando a sustentação da pele. 

Outra causa da flacidez é a obesidade, principalmente se estiver associada à má alimentação. Esse aumento de gordura em todo o corpo acaba gerando a flacidez da pele e dos músculos, pois o excesso de peso interfere na sustentação da pele. 

Muitas pessoas com excesso de peso optam pela redução de estômago. Porém, após o procedimento, a flacidez aparece de forma assustadora. Isso porque houve uma redução drástica da camada de gordura, e a pele não possui elasticidade suficiente para reduzir de tamanho na mesma proporção. Por isso, é importante prepará-la, fortalecer o músculo e usar ativos hidratantes e firmantes, pré e pós-procedimento.

Como prevenir e tratar?

Mas não se preocupe! Atualmente a estética possui bons tratamentos para prevenir, tratar e reverter esse processo com o uso de produtos e procedimentos rejuvenescedores. 

O importante é saber que, para reverter a flacidez, é necessário fortalecer as fibras de colágeno e de elastina, que auxiliam na sustentação e melhoram a elasticidade, promovendo mais tônus à pele.

Isso é possível com o uso de produtos que estimulam a produção de colágeno e de elastina e que promovem um efeito lifting da pele. Então, o grande segredo é ter bons hábitos alimentares, fazer exercícios físicos, beber água e usar cosméticos apropriados para cada região da pele.

Um bom parceiro para reduzir a flacidez da pele é o Lipofeme Creme Firmante. O produto é um poderoso firmador que obteve excelentes resultados nos testes clínicos, comprovando 93% de pele mais firme em apenas 4 semanas de uso. 

Outros resultados do teste de eficácia percebida mostraram que:

– 80% melhoraram a aparência geral da pele;

– 73% melhoraram a firmeza da pele; e

– 87% obtiveram uma pele mais lisa e hidratada.

O Creme Firmante possui o DMAE nanoencapsulado na sua composição, um poderoso ingrediente contra a flacidez. Nossa técnica Elizete Garcia fez um vídeo explicando tudo sobre esse produto. Assista aqui

Ah, e a indicação desse creme é para as mulheres que tiveram flacidez decorrente da gestação, assim como para homens e mulheres que passaram por processo de emagrecimento ou para qualquer pessoa que esteja envelhecendo e queira prevenir ou reverter esse problema. 

Experimente e cuide de você! 😀

O que são fatores de crescimento e quais seus benefícios para a pele

Se você acompanha as novidades na área da estética, provavelmente já ouviu falar sobre fatores de crescimento.

Os fatores de crescimento são moléculas proteicas produzidas por células do próprio tecido e responsáveis pelo fenômeno conhecido por comunicação celular.

E é graças a esta comunicação química que existe entre as células que o tecido desempenha a sua função ativamente. Por causa de algumas doenças e até pelo próprio envelhecimento, a produção de fatores de crescimento acaba diminuindo e, por consequência, a fisiologia do tecido também.

Essas substâncias são fundamentais para proteção, manutenção da integridade da pele e regulação de tecidos normais e por isso existem cosméticos que podem auxiliar nessa função.

Assim, quando falamos em ativos cosméticos conhecidos como fator de crescimento, falamos de ativos que realizam essa função e melhoram o potencial proliferativo de células progenitoras.

Desta forma, com o uso desses ativos a regeneração celular é estimulada, melhorando todos os estados da pele, como por exemplo a hidratação, envelhecimento, controle da pigmentação e saúde da pele em seu conjunto.

Fatores de crescimento na pele

Na pele, os fatores de crescimento e seus peptídeos possuem funções específicas e são responsáveis por:

  • Iniciar o processo de cicatrização (remodelação), substituindo o tecido danificado por um novo.
  • Estimular a produção da matriz extracelular (fibras e glicosaminoglicanas) e, dessa forma, promover o preenchimento da epiderme, derme e hipoderme (subcutâneo).
  • Promover angiogênese no folículo capilar (mecanismo inovador) e, dessa forma, revitalizar e nutrir o couro cabeludo.
  • Aumentar a população de folículos capilares.

Certamente você, já trabalhou com produtos com esses fatores, não é mesmo?

Em tratamentos profissionais, os fatores de crescimento podem ser usados associados por exemplo ao microagulhamento, laserterapia, ledterapia ou em técnicas manuais. Vale a pena conhecer!

Por outro lado, outra substância importante que auxilia na produção de fatores de crescimento de forma natural na pele é o ácido hialurônico vetorizado pelo silício. Eu fiz uma live com uma convidada muito especial que é Solange. Confira o vídeo que está rico em informações sobre esse ativo.

Conheça e teste os benefícios dos produtos desenvolvido pela Extratos da Terra em nosso site, extratosdaterra.com.br ou em um de nossos revendedores.

Acompanhe as novidade da Extratos da Terra em nas nossas redes sociais: Facebook e Instagram

Elizete Garcia

Pele das mãos: saiba quais cuidados você deve ter com as mãos

Como você tem cuidado da pele das mãos?

As mãos são a região do corpo mais exposta no dia a dia. O dorso das mãos possui a pele muito fina e com poucas glândulas sebáceas, que são as células que produzem a oleosidade, e por isso as mãos sofrem mais, ficando ressecadas com facilidade.

Uma pele ressecada ou desidratada não desempenha de forma ideal a sua função de proteção. Isso que pode causar ainda mais ressecamento, formação de rachaduras ou fissuras e outros problemas como manchas

As mulheres sofrem mais com o ressecamento das mãos, já que a pele dessa região é mais delicada. Além disso, cerca de 20% mais fina do que a pele masculina. 

A pele das mulheres também é naturalmente menos oleosa, por possuir menos glândulas sebáceas do que a pele dos homens. 

lavando as mãos

Devido a esses fatores e também pelo fato de as mãos serem uma parte do corpo que está mais exposta e que sofre frequentes processos de lavagem durante o dia, as mãos das mulheres são mais suscetíveis a serem ressecadas e desidratadas.

Envelhecimento das mãos

Envelhecer faz parte da vida e é preciso saber conviver com as várias mudanças que aparecem na nossa pele no decorrer do tempo. 

Nossas mãos são um alvo inevitável dessas transformações, sendo a parte do corpo em que mais aceleramos o envelhecimento. 

Isso porque as mãos estão diariamente expostas às agressões do meio ambiente como sol, vento e produtos de limpeza que provocam o envelhecimento precoce da pele. 

O excesso de sol causa manchas senis que se intensificam ao longo dos anos, deixando a pele dessa região com aparência envelhecida. No inverno, a água muito fria e a exposição ao vento forte também maltratam a nossa pele. 

Além disso, a pele das mãos é mais fina e sensível do que a pele de outras regiões do corpo. Como já discutimos no post sobre a pele do corpo. Isso deixa as mãos mais suscetíveis ao ressecamento e, consequentemente, ao envelhecimento da pele dessa região. 

Uma dica valiosa é cuidar da pele das mãos desde jovem, mantendo-a saudável e bonita. 

Para evitar o ressecamento e prevenir o envelhecimento da pele nessa região, é importante utilizar diariamente hidratantes que protegem a pele e evitam a perda de água. Assim como fazer uso de proteção solar quando for expor as mãos ao sol. 

Mas se você já está sofrendo com o envelhecimento das mãos, existem diversos tratamentos estéticos para amenizar os efeitos do tempo. Procure um profissional qualificado para fazer uma avaliação 😉

Dicas de cuidados com pele das mãos

1 – A primeira dica é tomar água, pois ela é vital para manter a pele saudável e bonita, e não só das mãos, mas do corpo em seu conjunto. 


2 – A segunda é usar protetor solar nas mãos. Não se esqueça de proteger essa região, afinal o sol é o principal causador do envelhecimento cutâneo e das manchas de pele. Você pode usar o mesmo protetor do rosto nas mãos.

3 – Hidrate a pele das mãos e use produtos direcionados para essa região. Isso porque as mãos têm as suas particularidades e necessidades diferentes da pele do resto do corpo. 

hidrate as mãos

Procure por produtos com base vegetal e ricos em vitamina E e ômegas 3, 6 e 9. Dessa forma, além de hidratar profundamente a pele, esses produtos têm ação antioxidante e regeneradora da pele, ajudando a prevenir o envelhecimento e mantendo a pele das mãos saudável. 

4 – Esfolie a pele das mãos uma vez na semana. Isso ajuda a manter a renovação da pele e também melhora a hidratação, evitando que fique opaca e sem vida. Uma boa opção é usar o Esfoliante Fitomineral, ele também retira o excesso de poluição e ilumina a pele. 

5 – Use luvas quando estiver exercendo atividades com produtos químicos, isso evita que os produtos químicos alterem a barreira de proteção da pele e provoquem desidratação.  

6 – Se você possui manchas senis ou de sol nas mãos, uma dica de tratamento é usar produtos clareadores à noite. 

Agora que você já sabe tudinho, que tal colocar em prática esses cuidados?

Esfoliação: 5 dicas para você não errar em 2021

A esfoliação esteve em alta em 2020. Vimos uma enxurrada de vídeos e de conteúdos na internet sobre como preparar um esfoliante em casa. Contudo, alertamos: MUITO CUIDADO com essas receitas caseiras de internet, pois elas podem realmente causar um grande mal à sua pele.

Muitas dessas receitas sugerem borra de café, limão, sal, açúcar, entre outros. Mas, esses ingredientes são alimentos que não são adequados para passar na pele. Usá-los como esfoliante pode machucar, desequilibrar os microrganismos bons e ruins da pele (microbiota) e até causar manchas. Por isso, muito cuidado com essas receitinhas caseiras. 

Dito isso, vamos entender por que é importante esfoliar a pele, e você vai aprender dicas de como pode fazer essa esfoliação sem causar nenhum dano a ela. 

Importância da esfoliação

Para que você possa perceber a importância da esfoliação, é necessário entender como funciona a nossa pele. Nós temos um conteúdo bem completo de como a pele funciona neste link, mas vamos dar um resumo aqui sobre a parte que nos ajuda a entender por que esfoliar é tão importante.

A pele passa por um processo que chamamos de renovação celular ou ciclo de renovação. Nesse processo, as células da pele são continuamente renovadas na camada inferior, chamada de camada basal, e também na camada superior, conhecida como estrato córneo. A camada inferior movimenta as células novas para cima, substituindo as células mais envelhecidas que se encontram na superfície da pele.

Você pode visualizar como isso acontece na pele, através da representação do vídeo abaixo.

Conforme envelhecemos e também devido à influência de alguns fatores externos como sol e poluição, essa taxa de renovação diminui, provocando, assim, mudanças na pele. A renovação das células vai ficando cada vez mais lenta, acumulando uma maior quantidade de células envelhecidas na superfície da pele, pois não se tem mais aqueles movimentos constantes de células novas expulsando as envelhecidas para fora da pele.  

A aparência da pele começa a mudar, ficando mais opaca, com aspecto mais áspero, mais ressecada e sem vitalidade. 

O que muda com a esfoliação?

Quando usamos um esfoliante, estamos ajudando a nossa pele no processo de renovação, pois o atrito das partículas do esfoliante arrasta para fora as células envelhecidas da camada córnea, devolvendo o brilho natural da pele e proporcionando aquela aparência mais saudável. Além disso, a esfoliação aumenta a absorção de produtos que usamos para um tratamento específico, já que menos células mortas estão na superfície da pele para fazer o bloqueio de substâncias aplicadas nela. 

Agora que você já sabe o que a esfoliação faz, veja a diferença entre os tipos de esfoliantes que você pode usar. 

Diferença entre esfoliante físico, químico e enzimático

Os esfoliantes têm a função de acelerar e auxiliar na renovação da pele, como aprendemos no item anterior. 

Mas existem diferentes formas de estimular essa renovação, e essas diferenças separam os esfoliantes em físicos, químicos e enzimáticos. Vamos entender o que cada um deles faz na pele.

Esfoliantes físicos: arrastam as células mortas da pele através do atrito das partículas finas contidas nesses esfoliantes, como, por exemplo, partículas de café, apricot, arroz, argila, entre muitas outras. 

Esfoliantes ou peeling químicos: fazem a remoção das células mortas pela ação dos ácidos que agem nas interligações das células, desprendendo as células envelhecidas da superfície da pele. Entre esses ácidos estão o glicólico, o salicílico, o mandélico e outros.

Esfoliantes enzimáticos: fazem a renovação através de enzimas que se alimentam dessas células mais envelhecidas, deixando as células mais novas em evidência e eliminando as antigas. Exemplos de esfoliantes enzimáticos são os que contêm bromelina e papaína. 

Veja na ilustração abaixo a diferença da ação desses esfoliantes na pele:

diferenças das ações na pele entre os diferentes tipos de esfoliantes

Agora confira as dicas abaixo sobre como usar os diferentes tipos de esfoliante.

Esfoliante facial: qual escolher e como usar

Primeiramente, algumas dicas de como escolher o esfoliante facial adequado para a sua pele:

Dica 1 – Use somente esfoliante facial no rosto

Nos cuidados faciais, use somente esfoliantes indicados para essa região, pois a pele do rosto e a do corpo são diferentes, têm espessuras diferentes, sendo a do rosto mais sensível. Por isso, nunca use um esfoliante do corpo no rosto.

Dica 2 – Não use esfoliante físico em espinhas inflamadas

Se a sua pele é acneica, não use esfoliantes físicos, que são aqueles com  partículas ou grãozinhos que você sente na pele. Ao passar esse tipo de esfoliante na pele com espinhas, você pode piorar o processo inflamatório e aumentá-las. Nesse caso, prefira esfoliantes químicos, ou os conhecidos peelings, como, por exemplo, ácido glicólico e salicílico. Além de renovar a pele, eles já ajudam no tratamento da acne.

Dica 3 – Cuidado com a esfoliação em peles sensíveis

Se você tiver a pele sensível, cuidado ao escolher o esfoliante, prefira um com esfoliação mais leve e de preferência recomendado para esse tipo de pele. Evite os esfoliantes químicos com ácido glicólico, pois eles podem irritar ainda mais a pele. O esfoliante químico mais indicado para essa pele é o que contém ácido mandélico e a gluconolactona. Esses ingredientes causam menos irritação, mas é bom ter cautela ao usar e de preferência consultar um profissional para fazer uma indicação mais adequada.

Dica 4 – Fuga de receitas caseiras de esfoliantes

Evite o uso de receitas caseiras de esfoliantes feitos à base de borra de café, açúcar, sal, mel, limão, etc., pois esses ingredientes não têm o mesmo pH da pele, o que pode causar um descontrole entre as bactérias boas e ruins que vivem na nossa pele e que têm o papel de proteção. Ao usar esses ingredientes, você pode estar deixando a sua pele vulnerável a agentes externos como poluição e outras sujidades. Além disso, a quantidade de borra de café, sal ou açúcar usados para fazer esse esfoliante pode agredir a pele além do que deveria, e assim você não só tira as células envelhecidas como também causa pequenos machucados que podem dar origem a manchas. 

Quanto à indicação, atente-se para a recomendação de uso dos esfoliantes. Eles são muito benéficos à pele, mas devemos usá-los com moderação. A indicação de uso de esfoliantes físicos é de uma vez na semana. O uso em excesso pode estimular muito a pele, deixá-la oleosa e desequilibrar as suas funções de proteção. Já peelings ou esfoliantes químicos e enzimáticos devem seguir a recomendação do fabricante, pois a frequência de uso vai depender da formulação e da concentração desses ingredientes. 

Esfoliação corporal

Os esfoliantes corporais normalmente são feitos com partículas físicas que arrastam as células envelhecidas da pele pelo atrito, como mencionamos anteriormente. A indicação de uso desse esfoliante é de uma vez na semana.

Esses produtos são desenvolvidos especificamente para o corpo, com a abrasão adequada à espessura da pele e com o pH ideal para a pele dessa região.

A cautela no uso desses esfoliantes é quanto ao impacto ambiental. Procure esfoliantes de fonte vegetal, pois as famosas esferas de polietileno, muito usadas no passado, são altamente poluentes para as águas. Isso porque devido ao seu tamanho minúsculo, não são separadas nos métodos tradicionais de tratamento de esgoto, poluindo assim os rios e mares.

Para finalizarmos, confira a última dica deste texto:

Dica 5 – Tenha um bronzeado mais uniforme com a esfoliação semanal

Use o esfoliante corporal uma vez por semana para obter um bronzeado mais uniforme, isso porque algumas regiões do corpo como joelhos e cotovelos acabam acumulando mais células mortas. Ao usar o esfoliante com essa frequência, você mantém a renovação da pele de forma igual nessas regiões. Após fazer a esfoliação, hidrate bem a pele do corpo, assim o seu bronzeado fica mais bonito e uniforme.

Gostou deste conteúdo? Você já sabia o que os esfoliantes fazem na pele e a diferença entre eles?

Conte aqui nos comentários se essas 5 dicas foram valiosas para você e nos ajude a criar conteúdos do seu interesse 😉

Cuidados com a pele no inverno

Os cuidados com a pele no inverno assemelham-se aos de outras estações, porém se deve ter uma atenção maior na hidratação. 

O que acontece com a pele no frio é que a umidade do ar fica menor, assim como as temperaturas, o que também diminui a nossa transpiração corporal. Como a umidade do ambiente é menor, ocorre uma evaporação maior da água que fica na superfície da pele para o ambiente externo, ou seja, mais água da pele evapora para o ar, provocando o ressecamento. 

Além disso, nessa época é comum as pessoas tomarem banhos mais quentes, diminuindo assim a oleosidade natural da pele. Como resultado, o nosso manto protetor, que é formado por água e componentes oleosos, fica desequilibrado. 

Todos esses fatores fazem com que a pele fique ressecada e com aspecto esbranquiçado, opaco, com leve descamação e até coceiras. 

Como manter a pele hidratada no inverno? 

A melhor maneira para manter os cuidados com a pele no inverno é reforçar o uso de hidratantes, manter uma alimentação rica em nutrientes e vitaminas que aumentem a barreira de proteção, e não se esquecer de manter o consumo de água de pelo menos 2 litros no inverno. 

Parece clichê falar que devemos beber água, mas no inverno, por fisiologia, não sentimos sede como ocorre em temperaturas elevadas. Segundo a HCor, isso acontece porque no inverno sofremos mudanças de um hormônio conhecido como ADH, ou antidiurético. Nos dias frios, essa molécula desencadeia reações que fazem com que a circulação sanguínea fique concentrada nos vasos centrais para preservar o calor do corpo e, com isso, não sentimos sede. 

Como cuidar do corpo no inverno?

Como mencionado, o clima seco e frio pode deixar regiões mais expostas, como pernas, braços e mãos, com aspecto esbranquiçado e ressecado. 

Para evitar o problema e não sofrer as consequências das baixas temperaturas, a melhor atitude é redobrar a hidratação da pele. 

cuidados com a pele no inverno-hidratante corporal

Por mais que dê aquela preguiça depois do banho, é importante reservar alguns minutinhos para passar um hidratante, de preferência que possua base vegetal. Aplicar após o banho também facilita um melhor aproveitamento do creme. Isso porque a temperatura quente da água deixa os poros mais abertos, facilitando assim a entrada do produto na pele. 

Os hidratantes de base vegetal são os melhores porque reconstroem a barreira de proteção da pele e diminuem a evaporação da água para o ambiente externo. Além de repor os componentes naturais de hidratação da pele, esses hidratantes também estimulam uma maior armazenagem de água na pele. 

Para quem tem preguiça de passar um hidratante, uma dica interessante é o Nano Shower. Esse produto é um sérum que pode ser aplicado com a pele úmida do banho, antes mesmo de secar o corpo. O Nano Shower é um produto que trata a celulite e ao mesmo tempo hidrata a pele. 

Agora, as mãos ainda têm um agravante, pois elas estão mais expostas a alterações de temperatura e ventos durante o dia. Além disso, estão em contato direto com produtos de limpeza.

Por isso, o ideal é usar produtos específicos para a pele das mãos, que hidratem bem mas ao mesmo tempo não deixem uma sensação pegajosa desconfortável nessa região. 

O que é bom passar no rosto no frio?

Como vimos anteriormente, o frio aumenta o ressecamento, deixando a pele do rosto mais opaca e sem brilho natural. 

Os lábios são uma das primeiras regiões a sentir a diferença da temperatura. Isso acontece porque a pele nessa região é mais fina e sensível, evaporando mais água do que as outras áreas do rosto. Por isso, o uso de protetor labial e de manteigas vegetais ajuda a manter os lábios hidratados e saudáveis. 

Já os hidratantes para o rosto devem seguir a indicação de produtos específicos para o seu tipo de pele, incluindo o uso do protetor solar. Temos aqui no blog um conteúdo em que você encontra os produtos ideais para o seu tipo de pele, basta clicar no link

Gostou deste conteúdo? Deixe o seu comentário aqui e, se tiver alguma dúvida, fique à vontade para nos perguntar 😉