Arquivo da tag: dermolight

Ativos clareadores X despigmentantes

Você sabe a diferença entre ativos clareadores e despigmentantes?

Há quem diga que ativos despigmentantes são os ingredientes que retiram a mancha escura da pele e os clareadores são os que inibem a formação dessas manchas. Entretanto, quando se busca uma definição clara entre esses dois termos, a conclusão é que não existe diferença. 

Porém, a Anvisa determina, no Parecer Técnico Catec nº 08/2001, a proibição do uso do termo despigmentantes em cosméticos. Por isso, em produtos de uso tópico, como os dermocosméticos mais atuais, não é comum encontrar o termo despigmentantes, mas sim ativos clareadores

Caso você encontre um cosmético que diz ser um despigmentante, esse produto não está cumprindo a regulamentação da Anvisa.

Diferentes mecanismos dos ativos clareadores 

Há diversos ativos clareadores no mercado que agem de formas distintas para remover ou inibir a formação de manchas escuras na pele. 

Existem, por exemplo, os ingredientes que agem antes da formação das manchas, inibindo a produção da melanina, que, por sua vez, pode ocorrer por diferentes mecanismos. Esses ingredientes podem agir tanto de forma mais superficial, inibindo ativadores da melanogênese, ou mais profunda, com ação direta na tirosinase. 

Do mesmo modo, existem os ativos clareadores que impedem a transferência e o transporte do pigmento já formado nos melanócitos para as células, inibindo assim a pigmentação da pele.

E por último, tem os que agem estimulando a troca de células já pigmentadas por outras sem as manchas. Normalmente esses ingredientes possuem uma ação mais superficial, estimulando a renovação celular e proporcionando efeito iluminador.

Neste post, vamos falar um pouco sobre os ingredientes usados em dermocosméticos que agem nesses diferentes mecanismos. Para ficar mais fácil de entender, separamos os ativos pela sua ação principal, que pode ser a inibição da formação da melanina, o bloqueio de transporte ou o clareamento da pele já manchada. Mas vale lembrar que muitos ativos clareadores têm ação em mais de um gatilho, podendo inibir a formação da melanina e, ao mesmo tempo, bloquear o seu transporte. Aqui os ativos estão separados apenas para facilitar o entendimento. 

Ingredientes inibidores da formação de melanina

Na pele, existem diversos mecanismos que ativam a produção de melanina, e falamos sobre eles no post “Manchas de pele: saiba como são formadas”. Você inclusive vai encontrar um fluxograma com os principais gatilhos e o caminho fisiológico que leva à ativação da tirosinase. É bem importante entender esses gatilhos para escolher os produtos usados nos tratamentos clareadores. 

Agora vamos compreender como agem os principais e mais modernos ingredientes que inibem a formação das manchas escuras na pele. 

Nano alfa-arbutin

O alfa-arbutin inibe a atividade da enzima tirosinase por competição direta com o seu principal substrato, a tirosina. A formação da melanina funciona assim: a tirosina se liga à enzima tirosinase, dando início ao processo de melanogênese, que nada mais é do que a formação do pigmento escuro que forma as manchas. 

Inicio do processo de melanogenese
Início do processo de melanogênese

Esse processo acontece em todos os tipos de manchas escuras na pele, sejam elas melasma, manchas de sol, pós-inflamatórias ou senis. Portanto, em um tratamento clareador é essencial bloquear a tirosinase.

Então como o alfa-arbutin age? Ele tem uma estrutura bem similar à da tirosina e por isso “engana” a tirosinase e se liga a ela. Mas agora, ao contrário do que acontece com a tirosina, o gatilho para a formação da melanina não ocorre, e o pigmento não é formado por esse caminho.

inicio do processo de formação das manchas com o ativo alfa-arbutin
Ação do alfa-arbutin na inibição da tirosinase

Um detalhe importante do alfa-arbutin é que ele não possui afinidade com a camada de barreira da pele e para que consiga ter essa ação, ele precisa chegar à camada mais profunda da epiderme onde a melanina é formada.

Para resolver esse problema de permeação é que foi criado o nano alfa-arbutin com muito mais eficiência clareadora. Nesse caso, o ingrediente é colocado dentro de uma cápsula bem pequena, que tem afinidade com a pele, levando o ativo clareador até o melanócito, local onde ele se liga à tirosinase. 

Ácido tranexâmico

O ácido tranexâmico é um dos ativos que agem tanto na inibição da formação da mancha quanto no bloqueio do transporte da melanina já formada para as células. 

Talvez a ação mais importante do ativo seja inibir a formação de melanina, já que ele faz isso por duas vias. A primeira é bloqueando a proteína plasmina, presente na epiderme. Essa proteína ativa a síntese de melanina por iniciar a cascata inflamatória e estimular a atividade da tirosinase. A segunda é regulando o fator MITF, considerado a proteína-chave que controla a melanogênese, que, por sua vez, ativa a tirosinase. Portanto, o ácido tranexâmico age na inibição da atividade da tirosinase.

Por outro lado, esse ácido também evita a transferência da melanina já produzida para as células, passo que promove a pigmentação escura da epiderme. Portanto, o ingrediente clareador também bloqueia o transporte de pigmento para a pele. 

Além disso, o ácido tranexâmico promove uma detoxificação celular, degradando proteínas e resíduos inúteis para as células, o que reforça o sistema de defesa e rejuvenesce a pele.

Neurolight

O neurolight age no controle de hipercromias por dois mecanismos inovadores: inibição da síntese de melanina desencadeada pelo estresse celular que a pele sofre e inibição do transporte da melanina dos dendritos para as células da pele. 

Nessa primeira condição, o mensageiro POMC é ativado e gera o hormônio estimulante de melanócito, o alfa-MSH, que inicia a síntese de melanina. Dessa forma, o ativo age diminuindo as hipercromias derivadas desse processo de estresse, tais como s pós-inflamatórias, pós-exposição solar excessiva e melasma (já que o alfa-MSH desempenha papel-chave na hiperpigmentação de peles com melasma). 

No segundo mecanismo de ação, a inibição do transporte da melanina dos dendritos para as células da pele interrompe a comunicação que faz com que os melanócitos iniciem a transferência do pigmento. 

Ativos clareadores que diminuem a ação dos radicais livres

Radicais livres ou espécies reativas de oxigênio são um dos fatores que levam à síntese de melanina e à hiperpigmentação.

Por isso, aumentar a atividade antioxidante evita que vários tipos de sinalizadores e mensageiros iniciem o processo de formação das manchas.

Alguns exemplos de ingredientes que inibem os radicais livres ou aumentam o potencial antioxidante da pele são:

– Ferula Foetida: o mecanismo de ação antioxidante do ácido ferúlico deve-se à presença de um ácido fitoquímico, que, reagindo com a radiação UV, aumenta a atividade antioxidante

– Nano resveratrol: tem potente ação antioxidante, neutralizando a ação dos radicais livres e dos danos oxidativos que agridem a pele

– Extrato de abacaxi: rico em vitaminas do complexo B, A e C, além de flavonoides que têm ação clareadora e iluminadora da pele devido à sua ação antioxidante e enzimática.

– Vitamina E: melhora a hidratação da camada córnea, previne a formação de radicais livres e aumenta o fator de proteção solar quando associada a filtros, impedindo os danos causados na pele.

– Vitamina C: poderoso antioxidante que impede a produção de radicais livres, principalmente os derivados da exposição à radiação solar e que desencadeiam a melanogênese. O ativo equilibra o nível antioxidante da pele e também evita danos às células. 

Ativos clareadores que inibem o transporte de pigmento

Depois que a melanina é formada, ela é direcionada para os dendritos no melanócito, que são como bracinhos que se conectam com as células da pele. É como se os dendritos abraçassem as células que estão perto deles. Em seguida, o melanócito  libera a melanina. Dessa forma, o transporte da melanina do melanócito para as células precisa de uma ponte, que são os dendritos. 

formação das manchas por melanócitos
Imagem do material publicitário da Chemyunion LTDA

Dois ativos clareadores que impedem essa transferência do pigmento estão listados aqui embaixo. Além deles, o neurolight e o ácido tranexâmico também agem no bloqueio do transporte do pigmento.

Niacinamida

A niacinamida atua diretamente no clareamento da pele por inibir a transferência de melanossomas (estruturas que carregam a melanina) para as células. Essa função é essencial, pois é um dos principais mecanismos envolvidos na pigmentação cutânea e na formação das manchas escuras na pele.

A niacinamida não só tem efeito iluminador e uniformiza o tom de pele como também melhora a sua aparência geral, estimulando a produção de colágeno e rejuvenescendo a pele, já que o processo de envelhecimento também está relacionado ao aparecimento de marcas senis e ao amarelamento do tom de pele devido à glicação, que afeta proteínas como o colágeno ou a elastina. Pelas multifunções da niacinamida, ela tem resultados expressivos em marcas senis. 

Além disso, o ingrediente fortalece a barreira de proteção da pele, aumentando a hidratação e o reparo fisiológico das células danificadas por efeitos externos como poluentes, radiação UV e luz azul.

Biolumitá

Esse ingrediente clareador trabalha principalmente no bloqueio do transporte de melanina para as células, mas também inibe a formação da melanina. Afinal, as duas coisas estão conectadas. 

O Biolumitá diminui o transporte de melanina dos melanócitos para as células porque reduz a síntese do peptídeo chamado endotelina-1, que fica nas camadas da epiderme e é produzido em resposta  à radiação UV. Esse peptídeo tem a capacidade de aumentar o número e o tamanho dos dendritos, os “bracinhos” dos melanócitos que transferem o pigmento já formado para as células ao seu redor. Assim, ao diminuir a produção desse peptídeo, limita-se o quanto de melanina é depositada nas células.

O ativo também age inibindo a fase de formação da melanina. Ou seja, inibe a formação do pigmento para que não seja sintetizado e também inibe o transporte da melanina já formada para as células.

Ativos que estimulam a renovação celular e a remoção de células manchadas

Por último, vamos apresentar alguns ativos clareadores que estimulam a renovação celular, facilitando a remoção das células já manchadas da pele. Todavia, para que as novas células formadas não fiquem manchadas novamente, esses ingredientes precisam ser combinados com outros que inibem a formação e o transporte da melanina.

Ácido glicólico e BioAHAs

São dois peelings químicos que aceleram o turnover ou a renovação celular. Esses ativos auxiliam no desprendimento das células pigmentadas e com marcas escuras, estimulando assim o clareamento progressivo das manchas. 

Ácido mandélico

O ácido mandélico auxilia na retirada da melanina já depositada na pele. Age desprendendo as células do estrato córneo e promovendo uma eficaz remoção das hipercromias, além de renovar a pele de forma mais acelerada. 

Pelo fato de sua molécula ser a maior dos AHAs, o ácido mandélico penetra na pele de forma lenta, sem causar irritação. Após sua permeação intracelular, o ativo regula a produção de melanina. Além disso, uniformiza a pele, deixando-a mais clara, iluminada e lisa. 

Cristais de vitamina C pura

A vitamina C em pó pura e estabilizada usada como esfoliante físico garante a remoção das células mortas e, ao mesmo tempo, minimiza a melanina oxidada, alterando a pigmentação escura para um tom mais claro. Além disso, promove a síntese de colágeno, reduzindo os danos na derme, o que leva à melhora da pele e evita o envelhecimento precoce. 

Salix Peel 

Promove a renovação celular e tem ação anti-inflamatória em queratinócitos normais, bloqueando o sinalizador celular NF-kB que ativa o processo inflamatório. O NF-kB é induzido quando os raios UVB penetram na pele. Em seguida, os queratinócitos reconhecem esses raios como ameaça e estimulam os melanócitos a produzirem melanina no local para a sua proteção. Dessa forma, o ativo inibe a hiperpigmentação derivada de processos agressivos para a pele e da exposição à radiação solar. 

Renew Zyme

É um esfoliante enzimático com enzimas proteolíticas que hidrolisam a queratina, removendo as células mortas. O ativo tem atividade anti-inflamatória e antioxidante, e evita o acionamento do sistema de defesa da pele, não promovendo riscos de hiperpigmentação. Além disso, por favorecer o processo de renovação celular, promove uma imediata melhora na textura da pele.

Você gostou de saber a ação de todos esses ingredientes e entender um pouquinho mais por que eles estão presentes em dermocosméticos clareadores? Se tiver alguma dúvida, deixe o seu comentário aqui!

Manchas da pele: saiba como são formadas

Manchas da pele são um problema que afeta a aparência física da maioria das mulheres, incomodando todas as pessoas que se preocupam com a estética e com a vaidade.

Essas manchas são ocasionadas por diversos fatores e podem apresentar coloração branca, marrom ou avermelhada, de acordo com a quantidade de melanina produzida.

Melanina é o pigmento responsável pela cor natural da nossa pele. Ela é produzida na camada basal, em uma célula chamada melanócito.

O melanócito possui ainda prolongamentos, espécies de “bracinhos” que vão se infiltrando entre as células da pele. Fazendo uma comparação ilustrativa, podemos comparar o melanócito e a pele com uma mão segurando um abacaxi.

comparação da relação do melanócito e as células

Pareceu estranho para você? Então observe a foto ao lado. Se você imaginar que a palma da mão é o núcleo do melanócito e os gomos do abacaxi representam as células, mais especificamente os queratinócitos, então os dedos são os dendritos no melanócito, que consegue alcançar vários queratinócitos. 

Essa comparação não foi boa?

Então observe a segunda imagem abaixo, ela é a representação de um melanócito carregado de melanossomos. E ao lado é o local onde esse melanócito se encontra na camada basal da pele. Agora sim, deu para entender? Mas aposto que você não vai se esquecer da comparação do abacaxi.

Brincadeiras à parte, afinal com manchas não se brinca, hoje vou explicar o quão complexo e perfeito é o nosso corpo para manter o equilíbrio e a proteção das células. 

Processo de pigmentação da pele

Dentro do melanócito, existe uma organela chamada melanossomo, que é o local onde efetivamente a melanina é sintetizada.

Depois do pigmento formado, o melanossomo é transferido através dos dendritos do melanócito para as células adjacentes da pele, que são chamadas de queratinócitos. 

Após o transporte dos melanossomos para os queratinócitos, a melanina vai se direcionando ao núcleo da célula para proteger o DNA, e o pigmento é então liberado.

Ou seja, a melanina é a principal proteção do DNA contra os danos da radiação solar, por isso que a causa das manchas da pele, na maioria das vezes, é desencadeada pela exposição ao sol. Quanto mais sol, mais o melanócito entende que precisa proteger as células e mais melanina é produzida para isso. 

A ativação para a produção de melanina pode se dar por diferentes fatores e normalmente envolve o processo de comunicação entre as células da camada mais superficial da pele e o melanócito.

Essas células impulsionam a produção da melanina através da ativação da tirosinase (enzima que catalisa as primeiras reações para formação do pigmento). 

São inúmeros os mecanismos que, ao serem ativados, levam mensagens para o melanócito produzir a melanina. Por isso, tratar manchas é mais complexo do que parece, e o tratamento deve levar em consideração o maior número de fatores que desencadeiam a formação de melanina. 

Porém, é bom ter em mente que a melanina não é uma vilã. Pelo contrário, ela é a proteção do DNA para que não ocorra o envelhecimento precoce das células nem doenças mais sérias como o câncer.

Portanto, quando se fala no  tratamento de manchas de pele, temos que considerar a melanina como nossa aliada, como uma parceira que a gente pega na mão e diz: “Estou contigo, fique calma e tudo vai dar certo”.

Produção descontrolada de melanina e formação de manchas da pele

Como mencionado anteriormente, a síntese de melanina é ativada por diversos mecanismos diferentes, muitos dos quais ocorrem através da comunicação entre as células da epiderme (queratinócitos) e os peptídeos que se ligam a receptores específicos nos melanócitos, iniciando a produção de melanina.

Muitos desses mecanismos são ativados pela exposição solar, que, ao atingir as células da pele, ativa os gatilhos de defesa das células, iniciando-se a comunicação celular.

Por esse motivo, o surgimento de hipercromias muitas vezes é relatado após a exposição ao sol. 

Na imagem abaixo, pode ser observado um esboço dos principais mecanismos que levam à formação de marcas escuras na pele. 

Clique aqui para abrir imagem em tamanho maior.

Grande parte dos fatores desencadeadores que resultam na ativação da tirosinase deve-se à incidência da radiação solar, mas outros pontos-chaves importantes também são a poluição, processos inflamatórios, a gravidez e o uso de anticoncepcional devido ao fator hormonal envolvido.

Todos esses fatores desequilibram a produção normal de melanina, desencadeando a produção descontrolada do pigmento e formando as manchas. 

A partir de um desses gatilhos, começa uma reação em cadeia, e cada tipo de gatilho pode ativar diferentes meios de comunicação celular, levando à formação de marcas mais escuras na pele. 

Tratamento de manchas

Para que o clareamento de pele seja eficiente, os produtos devem agir no maior número possível desses mecanismos ativadores, neutralizando, bloqueando ou regulando a produção de melanina, porém de uma forma inteligente, que não prejudique o desejo natural nem agrida a pele ao ativar esses mecanismos de defesa.

Percebam que essa é uma linha tênue, por isso a necessidade de escolha  por produtos que deem resultado não só pensando no prazo imediato, mas principalmente a longo prazo, para não ocorrer o efeito rebote e a piora do quadro.

Tratamento profissional de manchas da pele

A Extratos da Terra desenvolveu a linha Dermolight, criada com o conceito de tratamentos por camada, cuidando das hipercromias de forma gradual.

Ou seja, à medida que os passos do tratamento são realizados, os produtos agem em locais mais profundos e específicos (o primeiro produto age no estrato córneo, até chegar ao principal, que age diretamente no melanócito). 

No tratamento profissional, os produtos formam um ciclo, agindo em 15 pontos-chaves fundamentais na formação das hipercromias e também reduzindo as já instaladas por diminuir a intensidade das marcas e aumentar a renovação celular, eliminando as células pigmentadas.

Dessa forma, temos um tratamento completo, em que cada passo age em uma determinada camada da pele, atuando sobre os mecanismos locais que causam as hipercromias. Os 15 mecanismos de ação da linha  são:

1 – Inibe a atividade da tirosinase, que participa das duas primeiras reações da síntese de melanina.
2 – Reduz a conversão de tirosina em DOPA, que é a primeira reação da síntese de melanina.
3 – Reduz a síntese da TRP-1, necessária para a produção da melanina marrom.
4 – Regula a MITF, um fator de transcrição que ativa a tirosinase.
5 – Inibe o transporte de melanina dos dendritos para os queratinócitos.
6 – Inibe o depósito de melanina formada nos queratinócitos por inibir a PMEL17.
7 – Inibe a liberação de melanocortina (α-MSH), que é o hormônio estimulante dos melanócitos.
8 – Reduz a produção de radicais livres (ROS).
9- Reduz a produção de endotelina-1 secretada pelos queratinócitos, que ativa a tirosinase e aumenta o tamanho e o número de dendritos.
10 – Inibe a formação de plasmina, que libera o fator de crescimento do melanócito e que ativa a cascata inflamatória, além de estimular o α-MSH.
11 – Promove a detoxificação celular, evitando que resíduos inúteis permaneçam na pele, pois podem ativar o sistema de defesa.
12 – Diminui a comunicação da substância P com o melanócito, evitando o aumento dos dendritos e do transporte de melanina para as células.
13 – Tem ação anti-inflamatória, inibindo a síntese da proteína do estresse e o início da cascata inflamatória.
14 – Limita os efeitos das agressões externas como RUV e poluição.
15 – Aumenta a proteção do tecido, evitando agressões na camada córnea e protegendo-a dos danos da radiação solar.

A linha é um tratamento eficiente que controla a produção de melanina, elimina marcas escuras já instaladas e previne que novas hipercromias se formem.

Além disso, todos os produtos promovem e preservam a hidratação da pele, pois a hidratação faz com que o tratamento seja mais eficiente, que os ativos tenham melhor absorção e que a barreira de proteção fique íntegra, protegendo a pele dos efeitos danosos e dos agentes externos.

Para conhecer os produtos da linha, basta clicar neste link.

Cuidados em casa

Outro fator importante no clareamento de pele é o controle da produção de melanina, que deve ser diário, pois o melanócito, uma vez que é estimulado a produzir melanina, continua produzindo em uma quantidade superior ao normal.

Dessa forma, é necessário enviar uma mensagem diária a ele para que não  produza o pigmento e que está tudo sob controle. 

Isso quer dizer que os cuidados em casa são fundamentais para o sucesso do tratamento em cabine, pois os produtos usados em casa entregam doses diárias pequenas de ativos que auxiliam no controle da produção do pigmento. 

Isso também quer dizer que o tratamento não pode ser interrompido no verão, por exemplo, pois é a época em que mais as pessoas se expõem ao sol, e como vimos o sol é o principal ativador da produção de melanina.

Para conhecer um pouco mais os produtos de uso em casa para o clareamento de pele, acesse outro conteúdo do blog: Manchas na pele: saiba como tratar

Lucimara da Cunha
Engenheira química e cosmetóloga
Analista de marketing e produtos